Curiosidade:Custo de Vida no Japão

Custo de Vida no Japão

Quem é descendente de japoneses certamente conhece histórias de parentes ou amigos que foram morar no Japão e já ouviu comentários de que o custo de vida no país é alto. Será que isto é verdade? Que tal conhecer melhor sobre as despesas que pesam no orçamento, em terras japonesas, e tirar suas próprias conclusões?

Impostos

Os impostos são campeões de reclamações, mas quem reclama não percebe que os impostos são calculados de acordo com o valor do seu salário, ou seja, o Imposto de Renda e o Imposto Municipal só serão altos se o seu salário for alto. Acredito que ter um salário alto é ótimo, mesmo que isso signifique pagar um pouco mais de impostos, certo?

Outra coisa que os brasileiros se esquecem é que no Brasil o Imposto de Renda é ainda mais alto. Para a faixa salarial acima de R$ 5.000,00 a alíquota é de 27.5%, ou seja quase um terço do salário. Muitos não se atentam para isso porque no Brasil o seu salário não chegava a este patamar ou até era isento de imposto.

Uma questão importante a ser considerada sobre os impostos no Japão é saber que o valor pago retorna ao cidadão de várias maneiras. O país nos oferece serviços públicos de qualidade, segurança e excelente educação pública. Então podemos dizer que o governo japonês faz muito bom uso do imposto cobrado.

Há duas dicas válidas em relação aos impostos: a primeira é que, caso você envie dinheiro para auxiliar  no sustento de algum parente no Brasil, como pai ou mãe, esta pessoa poderá ser cadastrada como dependente em seu Imposto de Renda e você pode receber um abatimento. A segunda é que, no primeiro ano de trabalho no Japão, o valor do imposto pago é bem pequeno, pois não há ainda registro de valor salarial para o cálculo do imposto. Então aproveite para fazer uma economia extra neste primeiro ano e guarde um dinheirinho para futuras necessidades.

Alimentação

Outra campeã de reclamações de gastos é a alimentação. Não se pode dizer que alimentos no Japão são baratos, mas o custo com alimentação vai depender muito das opções de cada um e é possível manter bons hábitos alimentares gastando pouco.

Um problema comum em relação à comida é que, muita vezes, os brasileiros querem consumir, no Japão, os mesmos alimentos que comiam no Brasil. No Japão há mercados com grande variedade de produtos brasileiros e é muito bom tê-los por aqui, mas quando a comida brasileira é um hábito de todos os dias, isso terá um impacto grande nas despesas.

Os produtos brasileiros não são a única tentação ao nosso paladar, muitos supermercados no Japão oferecem alimentos de diversos países. É fácil encontrar chocolates suíços, chips americanos ou massas italianas, porém não podemos esquecer que produtos importados acabam custando mais caro.

Para manter uma rotina de alimentação que não pese no orçamento, o segredo é procurar os alimentos que são usados na culinária da região onde moramos. É claro que podemos fazer comida japonesa do nosso jeito brasileiro, mas se usarmos ingredientes locais gastaremos menos. Uma dica simples é usar sempre frutas e verduras da estação, que são encontradas em abundância e tem melhores preços.

Para uma estimativa de orçamento podemos considerar que cada pessoa gasta em média entre 20 e 30 mil ienes por mês com alimentação. Este valor pode variar dependendo dos hábitos de cada um e também pode subir muito caso seja frequente as idas a restaurantes.

Aluguel

O Aluguel é um item que pesa bastante no orçamento, quando estamos no Japão, e não há como fugir desta despesa. Para minimizar o impacto do aluguel no orçamento, o segredo é procurar sempre as melhores opções.

Morar em apartamentos oferecidos pelas empreiteiras é uma boa alternativa para o início de vida no Japão e também para aqueles que pretendem ficar por pouco tempo. Há boas vantagens pois não haverá despesa com luva e Imobiliária e também não há necessidade de apresentar fiador.

Após fixar moradia, muita gente prefere alugar imóveis por conta própria ou até mesmo comprar uma casa própria. Neste caso, vale a pena fazer uma boa pesquisa na hora de escolher um imóvel, checar sempre várias opções em diferentes imobiliárias.

É difícil definir valores de aluguel pois há muita variação de acordo com a região, tamanho e estado de conservação do imóvel, mas é possível ter uma estimativa. Um apartamento pequeno, para solteiros ou casal, fica mais ou menos entre 35 e 50 mil ienes. Apartamentos maiores para família de três a cinco pessoas tem o valor de aproximadamente 55 a 70 mil ienes.

Há também uma opção interessante de moradia no Japão para solteiros ou casal, que é o ¨Leo Palace¨. Trata-se de uma espécie de kitchenette semi mobiliada onde todas as despesas como água, luz, gás, e até Internet estão incluídas no aluguel. O custo mensal de um Leo Palace é cerca de 60 a 70 mil ienes.

É bom lembrar que o valor do aluguel não é o único aspecto a ser considerado para otimizar o custo com moradia. Também é preciso observar a distância do imóvel até o trabalho ou escola, a existência de vaga de estacionamento ou algum outro aspecto que aumente o custo final.

Água, luz e gás

Despesas domésticas com água, luz e gás podem ser grandes vilões do orçamento doméstico no Japão. As contas de energia são as mais salgadas. Para uma família de quatro pessoas, gasta-se entre 4 e 8 mil ienes mensais em média, mas no inverno esta despesa pode chegar aos 20 mil. A água fica entre 3 e 4 mil ienes em média. O gás, considerando que o imóvel tenha chuveiros à gás como a maioria, sai por volta de 6 a 8 mil ienes por mês. Em imóveis onde o chuveiro é elétrico, é claro, o gás ficará mais barato, mas a energia vai subir.

As estações do ano no Japão são bem definidas e há uma enorme variação de temperatura, sendo que no verão, na maior parte do território japonês, a temperatura passa e muito dos trinta graus e no inverno neva em grande parte do arquipélago.

Mas o que isso tem a ver com o orçamento? Tudo! No verão o uso de aparelhos de ar-condicionado tem um grande impacto no valor da conta de energia. Mas pior mesmo é o consumo de energia no inverno pois quando a temperatura cai acabamos usando aquecedores, kotatsus, tapetes e cobertores elétricos. Com as baixas temperaturas, as despesas com gás e água também aumentam devido aos banhos mais longos, mais quentes e o aumento na frequência de uso do ofurô.

Não há nada melhor do que um ofurô bem quente quando chegamos cansados do trabalho ou para relaxar nos dias de folga. Mas quando for encher o ofurô, lembre-se que este prazer será cobrado na sua próxima conta de água. Não deixe de conversar com sua família sobre como evitar desperdício de água e energia.

Telefone

Hoje em dia muita gente prefere não manter linhas de telefone fixo. Esta pode ser uma boa solução, principalmente quando a família não fixou residência, pois evita necessidade de transferência em caso de mudança, além de ser uma despesa a menos.

Mas, na verdade, o telefone fixo nem está entre os vilões do orçamento. O problema está nas linhas móveis, mais especificamente nos Smartphones e seus pacotes de dados. Não há dúvida que é essencial ter um Smartphone com uma boa velocidade de Internet, mas no Japão uma fatura mensal de celular, junto com o parcelamento de um aparelho das principais marcas do mercado, chega a custar aproximadamente 10 mil ienes por mês.

Para melhorar esta situação, nos últimos anos surgiu uma nova modalidade de serviço de telefonia móvel. Os preços oferecidos são muito mais baixos, porém a má notícia é que não há opção de financiar aparelhos das marcas mais populares.

Vale a pena conferir a proposta das empresas que oferecem o serviço de telefonia móvel com preços mais acessíveis: Rakuten Mobile (Docomo), Y!Mobile (Softbank) e (Au).

Escola

Uma questão curiosa para nós brasileiros é que, no Japão, as escolas públicas não são gratuitas como no Brasil, porém o valor das mensalidades é baixo. No Shogakkou (1º ao 6º) o valor fica em cerca de 10 mil ienes. A partir do Chugakkou (7º ao 9º anos) o valor é mais ou menos o mesmo, mas há também a despesa com o almoço, de aproximadamente 5 mil ienes por mês.

A educação infantil tinha o custo mais elevado, mas uma recente medida do governo japonês prevê que a partir de outubro de 2019, as Creches e Jardins de Infância passem a ser gratuitos.

No Japão existem escolas brasileiras de boa qualidade, mas quando a família faz a opção de manter os filhos em uma escola brasileira, deve estar preparada para um aumento considerável na despesa com educação. As mensalidade ficam aproximadamente 40 mil ienes mensais, além da despesa com material didático.

No final das contas, vale a pena?

No Japão, pagamos mais por alguns itens como conta de água, luz ou celular, mas por outro lado há despesas que saem mais baratas como compra de carros, roupas de qualidade ou viagens. Uma observação importante é que, mesmo quando as despesas, no Japão, são mais altas, devemos considerar que o salário também é mais alto. Coloque na balança, ou melhor, na calculadora e veja qual é a sua opinião sobre o assunto.

Créditos:Agencia Haru

 

 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support